Loading...
"O Coração da Guitarra"
As Nossas Metas

Ambicionar o Melhor

  Existe desde o início, em Ebora Guitars, a vontade de criar guitarras únicas e artesanais, e os pickups são parte importante da nossa máxima atenção.
De início adotámos os Entwistle, fabricados no Reino Unido, mas o tempo, as circunstâncias e principalmente a opinião de quem toca levou-nos a outras paragens e alargámos o leque de marcas e fornecedores que certamente trarão o desempenho pretendido: Fender, DiMarzio, Seymour Duncan, Tonerider, IronGear etc. mas há uma novidade:
  - No nosso proximo projeto vamos apostar em pickups nacionais, certamente muito bons porque "o que é nacional, é bom!" A seu tempo daremos notícias.

O segredo da captura de som

Tecnologia de Captação

  Independentemente da marca do captador da guitarra, o processo de fabrico e os materiais utilizados na construção são idênticos em todas elas. Um captador consiste basicamente num elemento magnético envolto numa bobine de fio de cobre que deteta a vibração das cordas de aço e que, pelo fluxo magnético, provoca tensão induzida nas espiras da bobine que se pode entender por “sinal Elétrico” e é esse sinal que é transportado ao amplificador. Só isso!
Existe, e é do conhecimento geral das diferentes marcas, a função dos diferentes materiais. O fio de bobine e o numero de espiras, assim como o seu revestimento, mas também o íman que pode dar ao som uma ou outra característica tímbrica... Assim: A variedade sonora entre os muitos tipos de pickups, existem unicamente devido às diferentes características encontradas nos materiais escolhidos pelos fabricantes e a combinação entre eles.
 Algumas dessas diferenças sâo:
 ⋆ Material magnético (ímanes de alnico, cerâmicos, neodímio. Etc.).
 ⋆ Natureza do cobre usado na bobina, especialmente o calibre do fio e o seu revestimento (Enamel, Formvar, Polysol).
 ⋆ Número de voltas da bobina e, consequentemente, a sua resistência DC.
 ⋆ Envasamento de cera, sim ou não, da bobime.
  Embora as marcas tenham a sua força assente no poder do marketing, o que está provado em provas cegas realizadas, o processo de fabrico é idêntico em todas elas.
O grande leque de opções sonoras existentes, existem devido a estas poucas combinações que intensificam (mais ou menos) a captação das faixas de harmónicos do espectro hi-fi de uma guitarra, dentro do nosso universo audível que está entre os 20hz e os 20khz. Todo o resto são mitos! Daí eu acreditar que nem sempre a modelo X da marca Y, pelo seu nome de mercado, (e apesar do preço), possa responder ao gosto musical, ao tipo de guitarra, ao timbre que se quer e ao tipo de musica que se toque. Por isso, o conhecimento dos diferentes materiais ser uma ajuda valiosa, já que comprar vários pickups para encontrar a melhor opção de som não ser economicamente o mais viável.


A influência dos magnetes e a sua interferência no timbre da guitarra.

 Caso estas quatro opções de magnetes (ímanes), abaixo, o possam elucidar na hora de escolher o tipo de pickups que melhor se adequem ao seu som, é já um passo rumo ao que se procura.

  - Alnico - São ímanes produzidos a partir de ligas de Ferro, Alumínio, Níquel e Cobalto, (Al-Ni-Co), ou seja, aço com elementos de liga. Utilizados tanto em single coils quanto em humbuckers e produzem aquele som “estalado” de uma boa Strato ou maravilhosos sons “timbrados” e cheios de harmónicos. Existem vários tipos, os Alnico 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8.
O Alnico 2, por exemplo, tem menos ataque e mais médios com um som mais doce e Vintage, já o Alnico 5, por sua vez, apresenta graves e agudos mais definidos em captadores de ganho moderado. O Alnico 8, por sua vez, é para pickups de alto ganho.
Mas o que significam esses números? - Eles são a diferença das suas capacidades magnéticas, ou seja, este número indica o poder de armazenamento de magnetismo que o captador (magnete) consegue reter. O Alnico 2, por exemplo, possui aproximadamente dois milhões de linhas magnéticas por milímetro quadrado, enquanto o Alnico 3 possui três milhões de linhas magnéticas, e assim por diante. Isso determina o tipo de timbre mas não a sua qualidade ou potência, pois estes valores indicam a sua capacidade de gerar campo magnético que, a grosso modo, quanto maior for este campo, mais intenso será o sinal enviado ao amplificador, porém sendo maior pode restringir os padrões vibratórios das cordas, prendendo-as numa “teia” de magnetismo, e consequentemente gerar perda de sustentação ou distorção tonal e perda de agudos.

  - Ferrite - Também conhecidos por Cerâmicos, são ímanes compostos por óxido de ferro, bário e carbonato de estrôncio, prensado e aquecido a altas temperaturas, adquirindo assim o seu aspeto “cerâmico”.
Em geral, equipam guitarras de baixo custo, por serem baratos, não produzindo nenhum timbre em especial.
Por outro lado, algumas marcas conceituadas, fabricam captadores com magnetes cerâmicos de alta qualidade pois são em geral pickups de grande “saída” ou seja, soam mais agudos e aptos a distorção ou Rock de Alta Energia, não sendo tão sensíveis a timbres quanto os Alnico.

  - Samarium-Cobalto - São produzidos com a liga de Ferro, Samário e Cobalto e conhecidos pelas siglas Sm-Co. Apresentam excelentes propriedades eletromagnéticas mas grande fragilidade mecânica, assim devendo-se evitar choques e quedas dos ímanes ou dos captadores.
Os captadores de Sm-Co apresentam bons timbre e bom nível de saída.

  - Neodymium - São os chamados super-ímanes, produzidos através da combinação de 3 elementos: Neodímio, Ferro e Boro. É o tipo de íman mais moderno e potente ora disponível, possuindo as melhores propriedades eletromagnéticas.
Produz um intenso fluxo magnético, superior aos Cerâmicos e aos Alnico. Os captadores de Neodymium geram timbres limpos com boa potência de saída e sem chilreios.
 * A Entwistle foi a primeira marca no mundo e uma das poucas atualmente, a utilizar estes magnetes.